O Ministério Público do Amazonas (MPAM) realiza nesta segunda-feira, 10/2, Cerimônia de Premiação do Human Hackfest 2019 – Ação Humanitária, às 10h00, no Auditório Carlos Alberto Bandeira de Araújo, sede da Procuradoria-Geral de Justiça (PGJ), localizada na avenida Coronel Teixeira No. 7995, bairro de Nova Esperança, zona Oeste de Manaus. Este será o encerramento desta maratona tecnológica, quando ocorrerá a escolha e a disponibilização das melhores soluções para a sociedade.

O coordenador geral do evento, Subprocurador de Justiça para assuntos administrativos do Ministério Público do Amazonas (MPAM), Mauro Roberto Veras Bezerra chama atenção para todas as ideias que surgiram durante o HHF, até as que ainda ficaram no papel. Todas elas podem ser desenvolvidas num futuro próximo. “Eu acompanhei e fiquei bastante satisfeito com o resultado do Human Hack Fest e pelas ideias que surgiram durante o evento e penso que há a possibilidade até, não só das ideias vencedoras terem continuidade mas de todas as outras que foram selecionadas terem de alguma forma um apoio com outras instituições que queiram apoiar os estudantes e todos os que brilharam no evento para que elas possam dar continuidade no trabalho. Esse é o foco do HHF, é fazer com que as ideias possam sair do papel e conseguirem ser executadas e depois disponibilizadas ao público em geral. Uma forma de ação solidária com efetividade e apoio realmente humanitário em favor dos todos os que se encontram em situação de vunerabilidade na capital”, disse o coordenador do evento e subprocurador de justiça par assuntos administrativos, Mauro Veras.

Criatividade
A criatividade e a efetividade estão presentes em nove propostas que passaram para fase eliminatória, que ocorrerá em janeiro de 2020. Os projetos Bienvenidos, Human Donation, Cadê Minha Escola, Move Ação – Human to Human, Human Help, Imicard, Simformaqui, Projeto Ahora e Rede das Amazonas forma os que mais se alinharam às propostas do evento.

Para a Diretora administrativa da Sidia, Vânia Capela, o Human Hack Fest representa um passo importante para a o início de uma utilização mais efetivas de ferramentas de tecnologia para ajudar a sociedade.”Nós entendemos que o evento foi muito proveitoso, com participação massiva, com muitas novas ideias e muito importante por ter sido algo pioneiro nessa área humnitária. A tecnologia precisa ser um alicerce ára melhora a vida das pessoas e isso inclui as questões humanitárias. O Sidia espera que esse seja um pontapé inicial nessa direção de desenvolver novas soluções que possam ajudar os habitantes de nossa cidade, principalmente dentro dessas questões humanitárias”, disse Vânia.

O Hack Fest começou na Paraíba e, desde o ano passado, entrou na programação de eventos do MPAM. A edição desse ano integrou profissionais da área de desenvolvimento de softwares e movimentos sociais, ONGs que ajudam os venezuelanos a se estabelecerem em Manaus.
Reinier Freitas atuou intensamente como mentor durante o Human Hack Fest e declara que foi um evento memorável com resultados importantes.

“Que final de semana foi esse!!? Topei o desafio junto com outros dois mentores, de “maratonar” duplamente hakhatons. Foi exaustão ao limite de tentar apoiar ambos eventos e aja mentorias nas equipes com uma bateria de pitchs para analisar e dar feedback, onde agradeço a compreensão e pelo convite dos parceiros, colegas e amigos de mais uma vez ajudar a inovar, aprender novas habilidades e competências, aumentar mais ainda nosso networking e fortalecer a prioridade no propósito de comunidade, onde apesar do “conflito” de ações tivemos na verdade uma integração inovadora.Parabéns aos organizadores, mentores, apoiadores, patrocinadores, participantes e outras atores dessa ação que cada vez mais será algo “padrão” no ecossistema local e que venha 2020″, disse Reinier.

Tecnologia e atividades afins
O Hack Fest 2019 foi um evento tecnológico cujo propósito se volta para a ajuda humanitária aos refugiados que se encontram na cidade de Manaus, oriundas de outros países e vítimas de instabilidades políticas, econômicas e sociais, e se encontram em situação de pobreza e miséria social. É apoiado na mobilização coletiva de profissionais e estudantes de diversas áreas correlatas à gestão pública e seus artefatos, como Tecnologia da Informação, Contabilidade, Administração, Direito, entre outros, sempre em conjunção de esforços para o desenvolvimento e produção de soluções tecnológicas avançadas, como aplicativos ou jogos, que atuem na promoção da dignidade da pessoa humana e possibilitem meios de resgate da cidadania.

Texto: Agnaldo Oliveira Júnior – ASCOM MPAM
Fotos: Arquivo – MPAM