Por: Elson Santos da redação do portal OAbutre.com

Vereadores de Iranduba presos na operação do ministério público do Amazonas denominada de “Avarita” podem sair da cadeia Amanhã 16, segundo informações, o dia no Município de Iranduba amanhã promete! isso porque dois  curruptos que estão presos, podem ser liberados pela justiça, se confirmar a delação premiada. os vereadores são acusados de receberem propina para aprovarem projetos na Câmara do município, o esquema foi denunciado pêlo ministério público do Amazonas, os vereadores já estão sendo chamados de guaguetas x9 na gíria popular porquê à uma grande chanse de eles terem delatado todo no esquema de corrupção na Câmara. isso implicaria em um eventual envolvimemto do  nome do chefe do poder execultivo do  município, o  prefeito Chico doído e demais vereadores também.
 
O evento da liberação ou não e audiência está previsto  para manhã à partir das 10h segundo informações! a pergunta que não quer calar será que vamos ter prefeito e vereadores em cana? O excelentíssimo sr. Juiz Tulio e o promotor de justiça Tananjura, vão ouvir as partes envolvidas e decidir o destino dos suspeitos. mas às apostas estão feitas o relaxamento da  prisão só saí se abrirem o bico. Será se os sábias cantaram o cântico do X9?
 
Relembre o caso aqui..
 
Promotores de Justiça participaram, na manhã desta sexta-feira (9/08), no Fórum de Iranduba, da Audiência de Custódia, na qual compareceram os vereadores Kelison Dieb (PMDB) e Jakson Pinheiro (PMN), presos, na quinta-feira durante a Operação Avaritia, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, do Ministério Público do Amazonas (Gaeco/MPAM) e promotorias de Justiça de Iranduba, com apoio da Polícia Civil (PC). No final da audiência, o Juiz titular da Comarca, Tulio de Oliveira Dorinho, decretou a prisão preventiva dos dois paralamentares.
 
A decisão do magistrado é relativa aos crimes registrados, ainda na manhã de quinta-feira, quando da presença dos policiais civis que cumpriam os mandados de prisão temporária decretada aos dois. No momento da prisão, o vereador Kelison Dieb estava portando uma arma de fogo de fabricação caseira e, por isso, foi apresentado em flagrante no 19o. DIP, na Ponta Negra. O vereador Jackson Pinheiro foi flagrado tentando destruir prova, ao jogar o aparelho celular dele no vaso sanitário. Foram apreendidos, ainda, aparelhos celulares, HDs e documentos.
 
“A prisão preventiva foi decretada, entre outros motivos, porque teve uma grande repercussão popular, mexeu com o clamor do povo, porque são representantes populares que deveriam estar defendendo os interesses coletivos e estavam defendendo interesses próprios e escusos. E isso houve uma quebra de ordem pública”, disse o Promotor de Justiça Luiz Vasconcelos, do GAECO, um dos responsáveis pela investigação da Operação Avaritia.