Coronel Alfredo Menezes, títular SUFRAMA Superintendencia da Zona Franca de Manaus - Foto Márcio Melo

Manaus – Além de amigo pessoal e uma das lideranças políticas na Região Norte, coronel Menezes (Patriota) e o presidente da República, Jair Bolsonaro (Sem Partido), já buscam alinhar estratégias políticas para 2022. Mal sabe o presidente que essa carta coringa é um “zero à esquerda”.

É verdade que o Coronel Menezes fez história em seu primeiro ano de eleições municipais, ficando em quinto lugar, mas enquanto estava na frente da superintendência da SUFRAMA, sabia de todos os ‘esquemas de corrupção’ que ali existia. Ele apenas cruzou os braços e nada fez pela pasta.

Durante o cargo de Superindendente o Coronel foi conivente com a corrupção do projeto ‘AgroIndustrial’ no Município de Rio Prreto da Eva, interior do Amazonas, sem se quer fazer absolutamente nada, após denúncia à Polícia Federal, ele foi sacado do cargo, mas não teve a coragem de ajudar os policiais a desarticular a corrupção dentro da Suframa, que até hoje existe.

Menezes não tem ‘cacife’ para execer qualquer cargo público, mostrou que é inexperiente, com várias denúncias contra ele, como por exemplo contratos suspeitos, tentou fazer campanha antecipada, quase mata mulher por covid19. Agora tenta se aliar a um investigado da CPI da Covid, com a tentativa de ganhar uma vaga no senado ao lado de Pazuello.