Amazonas- Moradores do município de Carauari distante 788 Km de Manaus, entraram em contato com o Portal O Abutre para denunciar que estão presos na embarcação Maria de Lurdes, privados de seu direito de ir e vir.

A embarcação estava à deriva há três dias no Rio Juruá, em uma região conhecida como Canarana. 

Em um abaixo assinado, eles relatam que estão proibidos de entrar em suas casas na cidade e que há muitos sofrendo por tal medida.

Segundo informações, o prefeito e juiz de Carauari Bruno Ramalho, mantém um decreto que os proíbe de entrar em seus lares.

Uma passageira identificada como Marcejane Rodriques,  relatou o motivo da viagem .

Veja o desabafo abaixo:

“Estávamos em Manaus, a maioria em tratamento de saúde, e quando a pandemia se agravou na capital, com números alarmantes de mortes, inclusive por falta de oxigênio, decidimos voltar para nossa cidade. Como não temos dinheiro pra ir de avião, que custa até R$ 1.500,00, viemos de barco, com ocupação de aproximadamente um terço da sua capacidade, com o devido controle de transmissão do COVID-19.” relatou

Ainda conforme os relatos, na embarcação há idosos, crianças e pessoas em pós operatório, o que exige alguns cuidados especiais.

Marcejane afirma que há 102 pessoas na embarcação, sendo 23 crianças (quatro de colo), cinco idosos e duas grávidas. “Tem uma senhora que é deficiente visual, que fez uma cirurgia em Manaus, e tem um senhor que fez uma cirurgia, retirou um rim”, disse a passageira.

A denunciante ainda disse que entende o cuidado para com os tripulantes, porém o caso já era pra ter sido resolvido uma vez que todos fizeram o exame para detectar o covid-19 e o teste deu negativo.

“Mais uma vez estamos sendo penalizados pela desigualdade social. Enquanto os que tem dinheiro podem chegar todos os dias de avião na cidade de Carauari, nós estamos proibidos de chegar em casa.” disse

Atenção Ministério Público, os passageiros estão desesperados e pedem ajuda ao poder judiciário.

O Portal O Abutre entrou em contato com a prefeitura do município de Carauari, mas até a publicação da matéria não obteve retorno.